O Secretário de Estado da Agricultura, Rui Martinho, participou no 1º Fórum da Bio Região do Alto Tâmega e Barroso – Caminho da Sustentabilidade, que decorreu no passado dia 14 de setembro.  Uma iniciativa da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega e Barroso (CIMAT) que teve como tema central o desenvolvimento sustentável e a valorização dos produtos biológicos da região.

Este 1º Fórum da Bio teve início com um almoço no Pavilhão Multiusos de Boticas confecionado pelos alunos do curso de cozinha da Escola Profissional de Chaves (EPC), com produtos totalmente biológicos, seguindo depois para o Boticas Parque – Natureza e Biodiversidade (BNB) onde o Presidente da Câmara Municipal de Boticas, Fernando Queiroga, foi anfitrião.

No seu discurso de abertura, Fernando Queiroga referiu que “este tipo de iniciativas são fundamentais para incentivar os agricultores locais a desenvolver a sua atividade agrícola através da aposta na produção biológica”, acrescentando que “para que isso aconteça também é importante que o Governo valorize os territórios do interior do país, nomeadamente a região do Alto Tâmega e Barroso, este último classificado como Património Agrícola Mundial, em 2018”.

Do painel de abertura fez também parte o Presidente da CIMAT, Amílcar Almeida, e a Diretora Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN), Carla Alves.

Amilcar Almeida, aproveitou o momento para destacar a última ação desenvolvida no âmbito da Bio Região, o “Canto do Bio”, que foi “inaugurado no mercado municipal de Chaves, no dia 24 de agosto, um espaço para diferenciar os produtos Bio da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega e Barroso” que surgiu “dada a grande procura por estes produtos, que reconhecidamente tem mais benefícios para a saúde e para a sustentabilidade dos territórios” e que agora “semanalmente acolhe uma mostra de produtos certificados em modo produção biológica”.

 

 

O Primeiro Secretário da CIMAT, Ramiro Gonçalves, foi o responsável por apresentar o memorando da Bio Região Alto Tâmega e Barroso e confessou que “será um projeto que andará mais depressa ou menos depressa, mas que andará sempre. Poderá ser alavancado muito rapidamente, se tivermos oportunidade de aceder aos fundos comunitários, para que ele seja célere, caso contrário, este projeto andará sim, mas com uma menor velocidade. Existe uma visão e a nossa visão sempre assentou neste pressuposto: ver nas dificuldades, oportunidades, pensar ao contrário e pegar naquilo que nós já temos de endógeno”.

Já a sessão de encerramento contou com a participação do Secretário de Estado da Agricultura, Rui Martinho afirmou que “o Ministério da Agricultura está a atento às dificuldades sentidas na produção biológica, estando a trabalhar com o objetivo de implementar medidas que contribuam para o crescimento sustentável deste setor de atividade”.

Também presentes estiveram diversas entidades, nomeadamente os Presidentes dos municípios que constituem a CIMAT, o Presidente da AgroBio, Jaime Ferreira, o Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Emídio Gomes, bem como Armindo Jacinto, Presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, que foi a primeira região Bio do Pais a obter tal certificação, seguindo-se posteriormente a região do Alto Tâmega e Barroso em 2018.