No âmbito do Projeto Piloto do Alto Tâmega, que constitui um dos três Projetos Piloto, aprovados em Resolução do Conselho de Ministros n.º 25/2021, para três regiões selecionadas, com o objetivo de testar o funcionamento do SGIFR, decorreu, no passado dia 8 de março, por videoconferência, a reunião do grupo de trabalho específico desde projeto.

A reunião teve como objetivo realizar o ponto de situação do plano de trabalhos, tendo incidido sobretudo sobre as fichas dos Projetos Críticos.

No seguimento daquela que é a área de atuação do Projeto Piloto do SGIFR, foi realizada uma visita ao Alto Tâmega, no passado dia 10 de março, por técnicos do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), do Luke – Instituto de Recursos Florestais da Finlândia e da Kaleria University of Applied Sciences da Finlândia, acompanhados pela equipa técnica da CIMAT, AGIF e ICNF, no âmbito do Projeto “Elaboração de estudo de contextualização e operacionalização de centrais de valorização de biomassa florestal em Portugal”.

A visita ao Alto Tâmega insere-se no conjunto das três visitas realizadas pela equipa responsável pela execução do Estudo às regiões integrantes dos projetos Piloto (Algarve, Centro e Alto Tâmega), para uma primeira avaliação da viabilidade da instalação das centrais em determinadas localizações identificadas pelos municípios do Alto Tâmega, considerando os aspetos ligados à capacidade de fornecimento de biomassa florestal, consumos energéticos para o fornecimento de aquecimento e ainda a logística da transporte e armazenamento.

A visita contemplou também um percurso pela área Florestal do Vale do Tâmega (Sabroso de Aguiar – Boticas) e a duas unidades ligadas ao aproveitamento de recursos florestais, designadamente a NutriAguiar, em Vila Pouca de Aguiar e a Stellep em Chaves.

Este projeto, da responsabilidade do ICNF, é financiado pelo Fundo Florestal Permanente e liderado pelo ISEG, em parceria com o LUKE – Natural Resources Institute of Finland, e tem como objetivo dar resposta ao Decreto-Lei n.º 120/2019, de 22 de agosto, que estabelece o objetivo de realização de um estudo centrado nas componentes económica e tecnológica, associadas à operacionalização das atividades conducentes à concretização da sustentabilidade económica e preservação de incêndios das áreas florestais, por via da instalação e exploração de novas centrais de valorização de biomassa florestal.

Mais informações estão disponíveis no link

https://www.iseg.ulisboa.pt/pt/2021/10/projeto-biomassa-em-portugal-2/ .