É à Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega (CIM-AT) que compete assegurar a articulação de atuação entre os municípios e organismos da administração central, nas diversas funções que tem vindo a acolher, nomeadamente, na gestão e controlo de projetos financiados por fundos europeus, no desenho e execução de projetos nas áreas de Planeamento, Território, Ambiente, Floresta, Recursos Naturais, Empreendedorismo, Cultura, Turismo, Educação e Saúde. É ainda autoridade de transportes do Alto Tâmega, sendo responsável pelo planeamento e gestão da rede de transportes públicos da região”.

Estamos convictos que muitas questões poderão ser melhor resolvidas numa escala supramunicipal, a fim de obter ganhos de eficiência e eficácia.

Ao longo dos últimos anos tem ficado provado que este trabalho em uníssono em prol da região tem surtido os seus frutos, por isso durante o meu percurso como presidente desta entidade vamos continuar a cultivar uma visão estratégica comum para esta sub-região, de acordo com as reais necessidades, conscientes das forças do nosso território, e criando formas de promover o desenvolvimento harmonioso e gerir eficazmente os recursos disponíveis.

Na CIMAT estamos empenhados no reforço sustentado de políticas de coesão territorial, visando afirmar esta como uma região com uma identidade forte e competitiva.

Estamos determinados na mobilização dos agentes económicos, sociais, culturais e institucionais para a continuidade do diálogo que deu força ao nosso Plano Estratégico, e que consideramos fundamental na reflexão sobre o destino e ambição do território, pois dele depende o sucesso de projetos inovadores.

Foi nesse caminho que criámos a Associação AquaValor – Centro de Valorização e Transferência de Tecnologia da Água, que tem como principal objetivo diversificar, estimular e coordenar respostas às necessidades e aos desafios específicos identificados na área temática da água, com base em conhecimentos tecnológicos e científicos avançados, nomeadamente através do desenvolvimento de soluções tecnológicas inovadoras para melhorar a produção e capitalização de bens naturais e culturais, e produtos derivados.

Foi também com esse objetivo que avançámos para o projeto AgroValor, visando incorporar conhecimento e inovação nos produtos, assim como incrementar toda a cadeia de valor dos produtos endógenos do território do Alto Tâmega.

É este, de forma sumária, o guião de uma estratégia que alicerça a dinâmica que nos motiva no dia-a-dia: afirmar esta sub-região num Território mais unido, com mais espírito empreendedor, mais coesão social, mais qualidade de vida e mais riqueza.

 

O Presidente do Conselho Intermunicipal do Alto Tâmega

Amílcar Rodrigues Alves Castro de Almeida