LOGO-IDAIACAT

Designação da Operação: Investigação, Determinação e Avaliação de Impactos das Alterações Climáticas no Alto Tâmega (IDAIAC-AT)

 

Código da Operação: POSEUR-02-1708-FC-000046

Objetivo Principal: A concessão de apoio ao investimento para a adaptação às alterações climáticas, incluindo abordagens baseadas nos ecossistemas

Região de Intervenção: NUTS III Alto Tâmega

Entidade beneficiária: CIM-AT

Data de aprovação: 17/05/2018

Data de início: 01/01/2018

Data de conclusão: 31/12/2020

Custo Total Elegível: 159.117,00 euros

Apoio financeiro da União Europeia: FC– 119.337,75 euros

Apoio financeiro público nacional/regional: 39.779,25 euros

 

 

 

 

Consciente de que as alterações climáticas são um problema global e transversal, não conhecendo fronteiras, Portugal introduziu no seu quadro legislativo uma resposta política e institucional refletida nas propostas relativas ao Quadro Estratégico para a Política Climática (QEPiC) que inclui, nas vertentes de mitigação e adaptação em alterações climáticas, os principais instrumentos de política nacional, dos quais se destacam o Programa Nacional para as Alterações Climáticas 2020/2030 (PNAC 2020/2030) e a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020).

A nível regional, a Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega (CIMAT), enquanto unidade administrativa do Alto Tâmega, reconhece o défice de adaptação às alterações na região, tendo decidido, neste sentido, proceder à identificação de um conjunto de riscos prioritários, passíveis de afetar a região (secas e escassez de água, suscetibilidade à desertificação e erosão dos solos; fitossanidade e sanidade animal; vetores transmissores de doenças humanas), os quais foram determinados em conjunto com os Municípios associados desta CIM.

Face ao exposto, a CIMAT pretende com a operação agora apresentada desenvolver a “Investigação, Determinação e Avaliação de Impactos das Alterações Climáticas no Alto Tâmega” (IDAIAC-AT), de modo a colmatar esse défice.

A IDAIAC-AT visa a produção de estudos com análises e avaliações de risco na ótica das alterações climáticas, atendendo não só aos riscos atuais/existentes, mas principalmente aos cenários futuros.

Pretende-se com a IDAIAC-AT atingir os seguintes objetivos:

 

  • Objetivo 1. Investigação e desenvolvimento de metodologias específicas, adequadas a esta região, para a realização de análises e cartografia associada aos seguintes riscos:

– Secas e escassez de água;

– Suscetibilidade à desertificação e erosão dos solos;

– Fitossanidade e sanidade animal;

– Vetores transmissores de doenças humanas.

 

  • Objetivo 2. Produção e avaliação de cartografia de risco identificando áreas vulneráveis/propensas aos impactos atuais e futuros das alterações climáticas.

 

  • Objetivo 3. Análise dos resultados cartográficos traduzindo as consequências dos riscos para as especificidades locais da região do Alto Tâmega.

 

  • Objetivo 4. Identificação e adoção de boas práticas, as quais não só devem promover as especificidades da região mitigando eventuais impactos decorrentes das alterações climáticas, mas também aproveitar eventuais oportunidades geradas pelas mesmas.

 

  • Objetivo 5. Contribuir para a implementação a nível regional do recomendado na Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC).

 

A “Investigação, Determinação e Avaliação de Impactos das Alterações Climáticas no Alto Tâmega (IDAIACAT)” contribuirá, ainda, para um conjunto de outras necessidades/prioridades do território, nomeadamente:

 

Definir um quadro de ação para adaptação às alterações climáticas, com as preocupações locais e com o planeamento intermunicipal, permitindo a conjugação de diversas intervenções, transversais e sectoriais;

  • Consciencializar as autoridades locais no que diz respeito ao seu papel e benefícios de ação (encorajando e acelerando o seu contributo);
  • Promover a mitigação e adaptação às alterações climáticas, com os expectáveis efeitos positivos ao nível da criação de emprego e desenvolvimento económico, poupança financeira, melhoria da qualidade do ar e redução de tráfego, etc.);

Atingir os compromissos nacionais e europeus em termos de alterações climáticas, redução de emissões, eficiência energética e sustentabilidade.

A “IDAIAC-AT” desenvolve-se ao longo de oito etapas revestidas de coerência sequencial, onde os resultados da etapa anterior são a base de trabalho necessária para a etapa seguinte.

As etapas propostas para a consecução desta operação são as seguintes:

Etapa 0. Enquadramento metodológico dos trabalhos da “IDAIAC-AT”
Etapa 1. Enquadramento das especificidades da região do Alto Tâmega no domínio das alterações climáticas;
Etapa 2. Desenvolvimento de metodologias para a produção de cartografia de risco para a região do Alto Tâmega;
Etapa 3. Produção de cartografia de risco associada às especificidades regionais do Alto Tâmega;
Etapa 4. Avaliação e integração dos resultados da cartografia de risco no conjunto de opções de adaptação;
Etapa 5. Definição de um programa de medidas de mitigação/adaptação às alterações climáticas;
Etapa 6. Monitorização da IDAIAC-AT;
Etapa 7. Divulgação da IDAIAC-AT.

A “IDAIAC-AT” inicia-se com a definição de um roteiro de enquadramento metodológico dos trabalhos, onde são identificados os membros da equipa, disponibilizados os respetivos contactos e identificada a informação necessária para a realização da operação.
Será, ainda, definido o plano de divulgação dos objetivos da operação, de modo a que os stakeholders possam tomar conhecimento e acompanhar o decurso da operação.

Na etapa seguinte será efetuado um trabalho de análise e enquadramento da região face às alterações climáticas. Esta será a fase de recolha, tratamento e análise de informação que permitirá a compreensão das especificidades da região do Alto Tâmega.

Após este enquadramento é desenvolvido o conjunto de metodologias para a produção de cartografia de risco.

Com a materialização do documento metodológico é possível avançar para a etapa de aplicação da metodologia e por conseguinte, a produção de cartografia de risco.

Finda a produção de cartografia de risco avança-se para a etapa onde serão analisados e descritos os resultados da produção cartográfica. Os resultados da cartografia de risco possibilitarão a definição de um conjunto de opções de adaptação às alterações climáticas.

A definição do conjunto de opções a considerar, associada a cada tipologia de risco, permitirá definir um programa de medidas de mitigação/adaptação às alterações climáticas.

Na etapa seguinte, será definido o plano de monitorização da IDAIAC-AT, este conterá um programa de medidas de monitorização que permitirão que a operação possa ser continuamente monitorizada, avaliada e alvo de report, de modo a que os objetivos sejam integralmente atingidos. O plano de monitorização identificará os indicadores mensuráveis e os períodos de monitorização.

A operação termina com a integração dos elementos produzidos na página da CIMAT num separador criado especificamente para a IDAIAC-AT. Nesta etapa será definido o plano de divulgação dos resultados da operação e realizar-se- à, um seminário para apresentação dos resultados aos stakeholders.

 

 

barra de apoios POSEUR